Páginas

maio 05, 2013

Evangelismos

Do muito que já se falou relacionado ao pastor Marco (in)Feliciano, e de todos os crimes que não julga, mas põe como desvios, pecados do ser humano, o que agora toma outra proporção é do “projeto cura gay”. Não bastasse ele atentar contra a OMS, órgão internacional que regulariza as práticas de saúde no mundo, a parcialidade com que ele quer definir, segundo seus próprios conceitos distorcidos, a orientação sexual das pessoas é sua campanha pessoal. E agressiva. Tem respaldo da igreja católica, e evangélica, de alguns profissionais duvidosos que acreditam que o indivíduo que sofre, sofre porque está clamando por perdão e mudança, e não como um reflexo da heteronormatização cultural e social em que as mulheres e homens homossexuais estão submetidos todos os dias. “Psicólogos evangélicos” esta categoria risível, só pela denominação que tem, procura dar respaldo legal pra projetos deste tipo, indo de encontro a toda uma política mundial. Os casos de reorientação sexual, já documentados em teses e artigos, só comprovam que a falha está num sistema de normas sociais de exclusão, dogmas religiosos, e perversão (sim, isso mesmo) dos direitos humanos mais básicos.  Um pastor, ou uma pessoa qualquer, que tem poder político,e que ponha seus interesses pessoais e religiosos à frente da lei, de órgãos internacionais, de diretrizes mundiais conhecidas, deveria ser punido, e ao invés ; tem os destaques dos holofotes, flashes, e superestimação da sociedade. 
O Estado Laico é estado de urgência social.
Ilustração de Carlos Latuff



O preconceito de hoje já não é mais invisível, está escancarado, exposto nas manchetes, nas notícias online pra todo mundo ver. E as pessoas ditas esclarecidas, que não concordam com isso, se mantêm em silêncio. É esse silêncio que me incomoda, porque nesse silêncio se é permitido todo tipo de atrocidade verbal, todo abuso de poder, todo absurdo é dito e fica por isso. Acordemos. O tempo passa, e com o tempo, nossa capacidade de modificar a realidade... 
Liberdade religiosa não é álibi contra democracia.

Em tempo, lembrei que Mein Kantf livro de Adolf Hitler, dizia que o nazismo seria uma prática de Direitos Humanos. Mais atual, impossível.

Notícia relacionada ao projeto de lei mais recente que criminaliza a “heterofobia”, e reorientação sexual pra hetonormatividade:  Pastor pretende interferir na autonomia profissional dos psicólogos. 

3 comentários:

  1. Marcos INFeliciano. Adorei, vc escreve super bem!

    ResponderExcluir
  2. Um ponto foda tb é essa interferência, de uma pessoa q n está habilitada e n tem formação para tal, sobre uma prática profissional...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Velho... o que mais se encontra agora, é o senso comum querendo se apropriar do que é a psicologia, e distribuir ¨diagbósticos¨ por aí afora. Seria cômico, se não fosse lamentável. Ética é uma palavra raríssima, jurássica, que só se encontra nos tratados de filosofia. Inexistente.

      Excluir