Páginas

maio 09, 2013

Metafísica poética


¨Hilda Hilst pensava poder captar as vozes dos mortos; James Joyce se convenceu de que sua filha era telepata; Clarice falava de Deus com tão estranha proximidade que foi convidada a um congresso internacional sobre bruxaria; Guimarães Rosa hesitou por anos em aceitar a cadeira na Academia, como se soubesse que morreria três dias depois da honraria. Nenhum desses episódios vale como prova de nada, a não ser, talvez, de uma correlação entre uma certa compreensão da linguagem poética e uma experiência de mundo que crê ter intimidade com a "metafísica"¨.

2 comentários:

  1. Num dia de seca decidimos subir aquele monte de pedras soltas e estancas cinzentas que há tempos não viam o orvalho umedecer as folhas que ali brotavam. Os nativos se agitaram diante daqueles que decididos iriam visitar aquele lugar. Em cima uma cruz resiste em dar vida a um Deus que já morreu.No Horizonte dois arcos multicolors ressurgem como deuses que vieram brindar a imensidao do existir. Em seus cálices gotas celestiais dum divino, metafísico orvalho cintilante...

    ResponderExcluir
  2. ...seria essa, uma questão última da filosofia moderna??? :) ♪♪

    ResponderExcluir