Páginas

junho 03, 2013

Livre e desabrochado, feito um rio


Eu queria ser banhado por um rio
Como um sítio é.
Como as árvores são.
Como as pedras são.
Eu fosse inventado de ter uma garça
e outros pássaros em minhas árvores.
Eu fosse inventado como as pedrinhas e as rãs em minhas areias.
Eu escorresse desembestado sobre as grotas
e pelos cerrados como os rios.
Sem conhecer nem os rumos
como os andarilhos.
Livre, livre é quem não tem rumo

Caderno de Aprendiz. ¨Manô¨ de Barros, me traduzindo.

Um comentário:

  1. A pedra tem vido meu nêgo
    A pedra tem vido meu nêgo
    Preste atenção
    nas coisas que não chamam atenção
    Preste atenção
    no prisma da bolinha de sabão
    Preste atenção
    nas coisas que não são na cara
    Um gota de orvalho no telhado é jóia rara
    Olha a luz do sol nos olhos do seu filho
    Olha o índio lindo colhendo o milho
    Olha o mar revolto fazendo pirueta
    Olha a nuvem branca com forma de lambreta

    Ob observe a vida para ti
    Ob observe um barquinho em Paraty
    Ob observe um castelo de areia
    Ob observe um buraquinho na sua meia

    A beleza não é o que se vê
    A beleza é o que está atrás do olhar
    A beleza não é o que se vê
    A beleza é o que está no fundo do mar

    ResponderExcluir