Páginas

julho 21, 2013

Jams

Demorei até, pra começar a escrever, e pensar a dança com o corpo. A gente usa demais a mente e esquece de outras formas de inteligência, e de outras compreensões e apreensões dos outros.
Voltei a dançar, um pouco timidamente no início, depois, percebo-me com prazer, investindo meu corpo em movimentos novos, arriscados. Dançamos primeiro sozinhos, ouvindo o que cada parte do corpo pode, ou sabe fazer, como explora o chão, e o ar, e o quanto nós gostamos de desenvolver, estender esse movimento. Por aí, eu sinto onde está a minha tensão, o tornozelo vai e gira bem, mas não aguenta o que o cérebro comanda; agilidade, destreza, e vaidade. Paro. E respiro, não vou brigar comigo.

Entendo que ganharei mais se tratar com carinho e menos rigor; é uma busca, disciplinar o corpo para aquilo que inconscientemente ele está preparado, mas não sabe que sabe. Até que você se arrisca. E vai! Aí se empolga demais e trava de novo. Nova escuta e compreensão. Começamos devagar, acordando aos poucos cada parte adormecida.

Só movimentos com as mãos no chão, sem tirar, tudo, mas as mãos no chão, uma regra pra explorar e depois brincar. Depois os pés, só eles. Ou a cabeça. E por fim, todas as três extremidades em contato carinhoso com o que nos sustenta.
Me vejo avançando devagar em todas as direções, a busca, a procura, por explorar e conhecer as possibilidades e extensões que cada parte em si quer, deseja ir, e como o todo se adequa. Adequação e equilíbrio. E curiosidade. Meu prazer em cada ponta e extensão de mim, numa coordenação interna, externa e principalmente entrecampos, a pele. O contato que entende e decide em conjunto.
Esse é um momento, aliás, uns momentos. Em seguida passamos pra tentar rolar o corpo, primeiro livremente e com delicadeza, Treinar ir com a mão e o braço primeiro, ou o pé e a perna. E a delícia suprema que é descobrir com o outro corpo, outra pessoa, com irmos juntos. Como se escolhe esse alguém? Como se é escolhido?
No consciente eu sei que vou na direção de alguém mais leve. Mas me dando conta disso, arisco tentar o peso e alguém diferente de mim.

Sempre começo um pouco devagar, pra ir conhecendo como a pessoa se move, pra ir avançando à medida que sinto segurança e sintonia, afinidade de movimentos e decisões compartilhadas.

Tento pensar como eu duplo, uma duplicidade diversa de mim mesma, mas extencionada. Quero o raciocínio do tato em duplos compreendidos. É o exercício da paciência, e da escuta do que queremos. O que eu quero, o que ela(e) quer. O que faremos juntos com esse querer.
A mediação do querer e decidir sem palavras, com gestos. Acho importante ter claro que somos pessoas desejantes, que tomamos decisões todo o tempo, e assim também é na dança, no contato improvisação. Sem a voz, a fala, mas a clareza da intencionalidade.
E não competir pela escolha ou decisão, “Vou mais rápido?” “Espero pelo outro?” Eu dou mais peso do que poderia dar? Ou menos, pra preservar a mim ou à ela(e)? Estou respeitando meu corpo, minhas medidas, meus avanços e limites..?
Se estou desmotivada, desenergizada, ou o contrário, acelerada demais, a dança desafina.

Eu paro. Se no inverso, ela (e) está em desacordo, estamos descompassadas, eu sinalizo também. Parada pra demonstrar a intenção. Parando ou indo mais lenta, se houver uma boa escuta, é compreendido e retomamos pra tentar a mudança. Se não, se não houver fineza na escutatória, vou cada vez mais lenta, ou mais rápida, a depender, e me individualizando numa dupla, o que não gosto nem quero. Faço tentativas e se não consigo em conjunto, mudo de parceria, de dupla.

As vezes não é tão claro qual, quem, está desafinando, porque há algumas regras, mas há uma fluidez e plasticidade que definem o C.I.
E diferente das aulas, na Jam, tudo é mais ágil, no sentido das trocas de pares, de decisões corporais, da sutileza do tentar e assegurar a decisão. E não tomar pra si todas as decisões, de se permitir ser levada às vezes, de se doar.
A liberdade do toque dá lugar á divisão de papéis, do dar força, equilíbrio e segurança, facilitar a leveza ou o peso, e o brincar sério de criar. 


Um comentário:

  1. Muito bom esse relato, Sol! Valorizo muito esse "brincar sério de criar".

    ResponderExcluir