Páginas

agosto 25, 2013

A Lifetime Photography















1.Lois Greenfield 2.Sally Mann 3.Thierry Marcoux 4.Allan Wallberg 5.?  6. ? 7.Ara Güler_Istambul 8. Elena Sariñena
  9. Vivian Maier 10. Maureen Bisilliant 11.Fitra Pranadjaja 12. Laurence Demaison 13. Ira Bordo 14.
  Marton Apai 15. Fabrizio Ferri, Sting 16. Mark Olich 17. Mercuro B Cotto18. Lee Jeffries, young homeless 
 

A quiet place

The real dream

Manoelês

"Se você prende uma água, ela escapará pelas frinchas 
Se você tirar de um ser a liberdade, ele
escapará por metáforas. No internato, longe de casa,
eu não sabia o que fazer e fiz um aparelho de ser
inútil. E comecei a brincar com ele. Um padre disse:
- Não presta para nada; há-de ser poeta!" 




agosto 23, 2013

Dúvidas cristãs

  1. "Eis que eu vos dou toda a erva que dá semente sobre a terra, e todas as árvores frutíferas que contêm em si mesmas a sua semente, para que vos sirvam de alimento" (Gênesis 1,29).
 Além das frutas e verduras, Deus poderia estar abençoando também a maconha, o cactos peyote, a chacrona e o mariri, cogumelos.. e demais plantas enteógenas ?  

      2."Ama seu semelhante como eu vos amei" (Marcos 12:31)

Daí você conclui que Ele poderia amar as mães solteiras, os insanos, os indigentes, os criminosos, e toda a vasta diversidade de naturezas da espécie humana. Mas não o faz, porque haveria de ser diferente com os homossexuais? 
Pra isso, é preciso entender o conceito de 'natural' para os cristãos, ou o debate será improdutivo. Nem a escala evolutiva de Darwin, nem o instinto natural, como ocorrem com animais de comportamento homossexual, diferenciar opção(valor, escolha) de orientação (desejo inerente à) tudo isso é ignorado; e somente aceita a ideia no Gênesis, origem ou criação divina e dos pecados. Mas depois da expulsão de Eva e Adão do paraíso, o que é natural pra um cristão? 
  
   3. "O acúmulo traz desgraças - Quem gosta de dinheiro, nunca se sacia de dinheiro. Quem é apegado às riquezas, nunca se farta com a renda" (Eclesiastes 5-6)

 Mas eu ainda não achei na bíblia a passagem sobre o acúmulo de riquezas pelo dízimo, e do poder de enriquecimento por má-fé, intimidação e culpa. Atitudes tipicamente cristãs..

Para além das questões que ficaram pendentes e sem resposta, tenho como afirmação que a Bíblia é mesmo uma questão de interpretação.

agosto 21, 2013

Dom Quixote

Só mesmo um personagem como este e uma história como esta, para nos exporem à nossa própria e invencível contradição: queremos a sensatez que nos protege, mas não resistimos à loucura que arrebata. E, por isso, inventamos a arte, que nos permite experimentar a loucura sem correr o risco de irmos parar num hospício.
Ferreira Gullar em comentário sobre Dom Quixote de la Mancha 


"Era meio Dom Quixote, não que fosse cego para a verdade, mas insistia em enxergar bondade, onde os outros se recusavam a ver".

  
Acho que somos um pouco como Dom Quixote:
certas ilusões são mais fortes que a realidade.

Somos todos filhos de Artaud.

Alguns de Rimbaud. De Arthur Bispo do Rosário, de Estamira, de tantos outros à margem, à beira do mundo, e beirando uma criatividade alucinada, da lucidez mais delirante.

Fico pensando no que acontece com estas figuras, ora personas non gratas na sociedade, ora são os que espelham essa brutalidade, sem preservar a própria pele.
Estamira morreu aos 70 anos, em 2011. Alguma vez saiu do lixão de Gramacho? Sua vida, sua loucura irreverente, por vezes cômica e genial, lhe rendeu alguma mudança, melhoria de condições, de tratamento..? Temo que não.
Antonin Artaud foi poeta, ator, dramaturgo. Depois internado num manicômio, e deixado por lá. A institucionalização da loucura.
Na época, local para se alocar e estudar estes casos extremos em que o ser humano luta consigo mesmo.
Ou mais provavelmente, luta com as leis morais, as instituições sociais, as regras banais, ordens absurdas e convenientes. Rupturas.
Me esforço por entender o que acontece em relação à mim mesma: como se enclausurar tão fundo dentro de si? Não é pagar um preço caro demais... ou estamos falando em liberdade, em verdade.
É o divórcio da sociedade que poderia nos fazer livres? Será preciso infringir algumas leis que nos ferem profundamente, maltratam internamente nossa natureza, pra nos tornamos nós mesmos. Se com o divórcio da humanidade, pudéssemos enfim respirar, mais humanos.
Penso em mim mesma.
E se a sociedade antes não o reconhecia como artista, com brilho promissor, depois do divórcio com a sociedade, depois do egocídio, ainda haverá luta consigo, talvez.

E se não houve reconhecimento antes, se não houve empatia, alteridade; então porque diabos haveria de ele ou ela desculpar-se à sociedade de ser quem é, ou de tornar-se agradável, socialmente adequado, mentalmente equilibrado? ¨Pra que se ajustar a um mundo doente¨, como já se perguntava Krishnamurti.
Respondo sem pensar, pra mim mesma; pra modificar, fazer algo, mesmo que momentaneamente sejam essas poucas linhas, pra em seguida ser movimento em ação, prática antimanicomial. Essa minha resposta impulsiva e romântica é também minha tentativa mais honesta de dizer, eu me sinto filha de Artaud, de Estamira. E também não sei responder pra mim mesma sem parecer ingênua, agressiva, passional demais, feroz...

Como disse alguém da platéia, “Estamira me lembra Clarice”.    Eu concordo.
Mais, sei que Clarice se sentiria profundamente honrada, lisonjeada. São da mesma espécie metafísica. Sozinha, na minha loucura sadia que me protege da banalidade mental que vivemos.Esse limite que divide a linha tênue de minha sanidade frágil da loucura sólida, concreta é o meu caminhar trôpego, minha dança ébria. 

  • Cartografia do Abismo, Direção de Luis Alonso, com Caio Rodrigo. 
  • Estamira, com Dani Barros, direção de Beatriz Sayad.

(Um acidente deliciosamente ridículo, antecede minha entrada ao teatro; andando pelo centro da cidade, eu reclamando da quantidade de lixo que produzimos e espalhamos nas ruas "A cidade está imunda! Olha quanto lixo..em toda parte. Que porcaria, vê essa calçada...!" Aí pronto: entro com os dois pés e sandália no esgoto. Da raiva inicial eu dou uma gargalhada homérica, Estamira devia estar ali rindo comigo).

    agosto 12, 2013

    Ilex Paraguariensis

    No popular, chimarrão, ou como eu chamo carinhosamente; chimas. Pra preparar é uma arte. Derrama a erva mate no fundo da cuia limpa até 3/4 do tamanho desta, água quente, mas nunca, fervendo, ou queima a erva, e estraga o sabor. Coloca a bomba ali e não mexe nunca mais, que não é canudo! Vai despejando a água, e espera que a erva absorva, e pra ficar garantido que a erva fique "em pé", vira de lado com a mão, segurando um pouco e deixa que a água quente absorva na lateral e mantenha ali na altura da cuia, e pronto, está feito o chimas pra passar em roda!

    Tomar o chimas é mais gostoso em roda, entre amigos ou família. No início se estranha o sabor amargo, e o primeiro a tomar o chimas está te fazendo um favor, pois o primeiro, é o pior de gosto, e só depois de ir rodando é que o sabor fica curtido(agradável ao paladar). Algumas crianças no início, tomam com água adoçada, ou com mix de ervas juntas com a erva-mate, mas não acho que se deve aprender assim, mas como todos tomam, até se adquirir e entender o sabor específico que é o chimas. Eu aprendi a fazer com minhas primas e primos, mas segundo os próprios, eu faço de um jeito que não é exatamente o certo, ou à moda gaúcha, ou sei lá o que, mas eu continuo fazendo e fica ótimo, com aspecto igual aos outros e sabor.

    Mas o chimas além de emagrecer, contém muita cafeína, então tomar à noite significa pra mim ficar insone. A menos que a intenção seja esta mesma. Em Porto Alegre ou no interior, as pessoas tomam no frio cortante ou no verão escaldante de lá, em todas as estações e temperaturas, dia ou noite, e na rua se vê passar cada um com seu chimas, mas o melhor mesmo é roda, em volta da fogueira ou lareira do inverno gelado de doer.
    Tomar o chimas em roda significa firmar ou fortalecer um vínculo com um amigo, conhecido, recém- chegado que nunca tomou, aprender a respeitar esse costume, e a arte do chimarrão, que vai mais além de saber preparar ou de apenas tomar, é o conjunto de tudo, mais o momento que todos partilham juntos até a cuia "roncar", sinal de que água secou no fundo, e é hora de passar ao próximo, (e tenha calma se o próximo demorar conversando, ou tomando!)

    Encontrei a Oração do Chimarrão, mas achei-a tão caretinha.. Gostei mais da letra do Humberto Gessinger, me diz mais sobre o momento e o estado de meditação e contemplação que é o ritual do chimas.

    Mate amargo noite adentro estrada estranha,
    Mãos e coração, livres e quentes: chimarrão e leveza
    Mãos e coração, livres e quentes: chimarrão e leveza

    ... ilex paraguariensis...
    ... ilex paraguariensis...