Páginas

setembro 01, 2013

Clarice em flor

Hoje eu senti saudade imensa de Clarice, e lembrei do que li num conto dela, que pequena, roubou rosas(e pitangas) no vizinho, em Recife.
Imagino essa menina colhendo e guardando esse pequeno delito como uma preciosidade. E eu, com oito anos, roubei um livro da escola, A mulher que matou os peixes.  Seria bom pensar numa comunhão de desejos...

“Rosa é a flor feminina que se dá toda e tanto, que para ela só resta a alegria de se ter dado. Seu perfume é mistério doido. Quando profundamente aspirada toca no fundo íntimo do coração e deixa o interior do corpo inteiro perfumado. O modo de ela se abrir em mulher é belíssimo. As pétalas tem gosto bom na boca - é só experimentar. Mas rosa não é it. É ela. As encarnadas são de grande sensualidade. As brancas são a paz de Deus. É muito raro encontrar na casa de flores rosas brancas. As amarelas são de um alarma alegre. As cor-de-rosa são em geral mais carnudas e têm a cor por excelência. As alaranjadas são produto de enxerto e são sexualmente atraentes.

A violeta é introvertida e sua introspecção é profunda. Dizem que se esconde por modéstia. Não é. Esconde-se para poder captar o próprio segredo. Seu quase-não-perfume é glória abafada mas exige da gente que o busque. Não grita nunca o seu perfume. Violeta diz levezas que não se pode dizer.”

Água Viva, romance.


9 comentários:

  1. Ai, mergulhei em minhas lembranças. Da época em que pulava o muro do vizinho pra roubar manga verde. Fazia isso em ''quadrilha"'. Colegas, amigos que de certa forma percebiam o sentir-se prazer nessa comunhão de desejos...em que pular o muro, arrancar as mangas com uma vara cheias de espinhos perfurantes, correr/saltar a cerca movidos pelo medo de sermos surpreendidos é que nos enchia de graça ...é que no fundo o que buscávamos não era o sabor adstringente da manga, azeda regada de sal e pimenta, mas, o prazer doce, quase que melado, da aventura. Que bom sentir em suas palavras algumas das minhas marcantes recordações de infância. Que ainda vive. E ressurge aqui, agora...

    ResponderExcluir
  2. A poesia, tem ela mesma um segredo. Ninguém percebeu ainda...

    ResponderExcluir
  3. As mil e uma "facetas" em que desabrocham o feminino?

    ResponderExcluir
  4. Rosa, violeta, amarela, branca...dos sabores que experimentamos quando estamos juntas!

    ResponderExcluir
  5. Sim, é isso. Quando Clarice diz “mas rosa não é it. É ela” está ali a metáfora da flor-mulher, simbolizada nos tipos, cores de rosas. É de um erotismo sutil e afrodisíaco quando ela experimenta as cores, os cheiros, a texturas... O sabor do sexo feminino, a volúpia da sexualidade contida nas flores. A violeta tem a particularidade de falar de seu sexo mais sussurrante... Uma bela maneira de contar seus Mistérios.

    ResponderExcluir
  6. imaginei as cores como os tons dos mamilos ou dos lábios

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. É tudo válido na nossa imaginação, fantasias...

      Excluir