Páginas

novembro 13, 2013

Espelho para cegos. *



"Se quisermos, podemos viver em um mundo de ilusão reconfortante" Noam Chomsky

Os costumes aprisionam. Você pode achar que não. Pode deixar de ler a partir de agora. 
Se continuar é por sua própria conta e risco.
Você percebe que há algo de errado com as pessoas, a maioria delas, quando vê alguém vociferar barbaridades, ofensas, e o outro compreensivo, solícito, sorri de volta. Bovino.

Ou quando alguém pisa no pé sem querer, esbarra, e a resposta é um tiro, uma facada.
Se começa uma frase, uma pergunta simples na rua, e o outro responde antes de terminar, antes mesmo de você começar a dizer, responde em piloto automático respostas que nada tem a ver com a pergunta.
Por um momento se pergunta se estão todos loucos. Mas o louco aqui é você por se perguntar isso. Questionar é proibido. Se não é proibido é mal visto, olhares censuram, você é inibido.
Questionar levará você ao martírio de concluir o adoecimento geral de comunidades inteiras, quiçá a população absoluta.

“Há algo de estranho acontecendo” sua consciência continua a assinalar o alerta.
As pessoas estão cada dia mais parecidas, as opiniões se assemelham, ninguém discorda mais pra não ser ‘do contra’, divergências são perigosas, tudo parece uma harmonia de plástico, sorrisos ensaiados, a submissão um mode on de viver. Mas algumas pessoas são mais iguais que outras.
A apatia, e o marasmo, é a doença social que tem se espalhado e contaminado como epidemia, e é exatamente este o objetivo almejado, o condicionamento de caráter, começa em você, e no outro ao seu lado, paralelamente.
Vamos conjugar juntos o verbo da vez, “eu me alieno, tu se aliena, ele se aliena, nós alienamos você, vós alienais aos outros...” 
Como nos provêm entretenimento – famoso pão e circo – há séculos eficaz para o entorpecimento do raciocínio.
Horas extenuantes de trabalho levam a pessoa a aceitar tudo, chegar exausto, comer (ou engolir), dormir pesado e sem sonhos. Que já é tarde, e amanhã levantar cedo para fazer o mesmo que hoje. E fazer o mesmo que depois de amanhã, e depois de depois, seguidamente.  Portamos-nos como cordeiros de mansidão, domesticados, sem vontade, a não ser a de consumir um pouco mais aquilo de que não precisamos.
Os dias se parecem, as pessoas se parecem. As conversas iguais, parecem monólogos em grupo. 
 E algumas, ainda mais que outras.
 A atitude que prevalece é o da passividade submissa, absurdos passam a ser a realidade habitual. Nos ônibus, as pessoas estão vidradas na TV, e nem olham mais pra fora.
Dentro das casas, a TV, substitui as relações, e no caso, parece muito bem vinda, pois permite as pessoas “conviveram tranquilamente” sem precisar se comunicar.
Já que falar, apenas, não significa necessariamente se comunicar.

Chegou-se a um ponto tal, que ser passivo além de ser a atitude predominante, é também a atitude esperada por todos de você.
O perigo é se você resolve abrir a boca, o verbo, e desafiar o consenso, perguntando algo imprevisível e ameaçador, como o planejamento do governo para os gastos públicos neste ano. Ou como estão frágeis as relações, se deteriorando...
Ou o supremo ato anarquista de imprevisibilidade: como foi que as pessoas pararam de reagir, a perder sua humanidade para robôs adestrados?   
Não é a Traição da Harmonia, e Paz Social ?
Há algo de estranhamente doentio, quando as pessoas pedem voluntariamente para fazer sua lavagem cerebral.  Rotineiro e insidioso costume.
Imperiosamente lavamos nossas almas, nossas mentes, nossos duros e frios corações, e por fim lavamos as mãos tal qual Pôncio Pilatos, nos livrando do peso da responsabilidade individual, e destituindo a razão de ser e agir.  Em cada lavagem cerebral, que fazemos diariamente, há a sombra de Pilatos, sorrindo satisfeito, a anulação da vontade pessoal.

Outro dia vi um homem conversando com uma estátua. Sim, uma estátua de monumento, e ao seu lado ele falava animadamente, talvez sobre esportes, futebol.. Algum ópio comum, difícil de largar.  Parava e parecia ouvir respostas. Estranhezas cotidianas.
Noutro dia, um velho com roupas maltrapilhas, dividia sua única refeição com um cachorro.  Dividia metade de cada pedaço pra cada, em partes iguais. Acho que dormiam juntos também, comiam juntos, e vagavam juntos por outros abrigos, quando por alguma razão este já não servia mais. Tratava-o bem, pensei. Talvez um cão seja mais próximo de nossa desumanidade que um humano, parece ser. (E só porque ele não nos julga como fazemos).

Percebo que há superpopulação nas mesmas condições. As ruas estão apinhadas. Os condomínios vazios e entrincheirados de grades. A jaula em que nos metemos, sorrindo e achando que somos livres e seguros.
As pessoas andam com pressa, as expressões tensas. Desconfiança sempre. O outro é o inimigo. O medo é nossa companhia constante.  Não nos abandona nem quando vamos dormir. Ah, mas o sono é pesado, é cansado, já não sonhamos mais. Nem deitados, nem despertos. É mais um estado de hibernação resignada, compartilhada. E só conseguimos suportar, pensando que a desgraça alheia é ainda pior., o vizinho deve estar tão cansado quanto eu mesmo, ou talvez mais. Infortúnios coletivos embalam o sono.

Já tentou abrir uma gaiola de pássaro em cativeiro? O pássaro não vai voar. Não adianta tentar, é garantido. Talvez nem saiba, ou se lembre como fazer isso. Há gerações inteiras que nascem em gaiolas; de vidro, de metal nobre, de latão enferrujado e gasto, e em tão sofisticadas embalagens de gaiolas, que em cativeiro social nunca souberam o que é o ar livre, ou voar... Algo tão distante que muitos dizem ser delírio dos antigos. Como se assim fosse o natural - invertido. Antinatural assimilado. Nossa caverna de Platão que tanto adoramos e a defendemos, com argumentos tortos, ou sangue, se for preciso.

O Estado de Sítio já se instalou, mas letárgicos e retardados que somos, achamos que é um estado democrático. Sim, democraticamente apático. Máxima piada triste e sem graça que rimos constrangidos.
Com as lavagens cerebrais diárias, o esvaziamento interno é absoluto, assim como todo o conteúdo escorre pelo ralo e esgoto. O divertimento fútil que consumimos e somos consumidos.
Se por acaso, alguém pergunta demais, ou pior, acontece de questionar uma regra, nega uma obediência, dissimula uma ação inesperada, é certo que haverá represália.

O mais comum é que já tenhamos embutida a autocensura. Então no momento exato em que pensamos agir diferente; nossa censura, nos paralisa: a voz coletiva já foi internalizada e funciona com eficiência impecável. A máquina repressora de nossa consciência já capenga.
Chegamos a uma época histórica a que vivemos hoje, época em que não é preciso nenhum regime político totalitário, em que as forças armadas militares não precisam ser acionadas, nem as ordens precisam ser impostas pelos meios de comunicação dos partidos políticos. As regras são sutis, mas incisivas. A falsa democracia é abraçada e defendida pela população. Os dissidentes, os contrários, desviantes são ignorados, minimizados, e desqualificados por todos.
A ditadura interna é a vigília e defesa para a banalidade em que todos aceitam, em uníssono. Um coro igual e assustador está ecoando entre as portas, janelas, ultrapassando as diferenças, e reduzindo-nos `a fantoches idiotamente felizes.
"Eles dizem representação. Nós dizemos experimentação. Eles dizem identidade. Nós dizemos multidão. Eles dizem domesticar a periferia. Nós dizemos mestiçar a cidade. Eles dizem dívida. Nós dizemos cooperação sexual e interdependência somática. Eles dizem capital humano. Nós dizemos aliança multi-espécies. (...) Eles dizem poder. Nós dizemos potência. Eles dizem inclusão. Nós dizemos código aberto. Eles dizem homem-mulher, branco-negro, humano-animal, homossexual-heterossexual, Israel-Palestina. Nós dizemos: vocês sabem muito bem que seu aparelho de produção de verdades não funciona mais. (...) Nós não vamos encenar o Estado disciplinar contra o mercado neoliberal. Esses dois aí já fizeram um acordo: (...) o mercado é a única razão governamental (...). Queremos uma cidadania total definida pela divisão das técnicas, dos fluidos, das sementes, da água, dos saberes… Eles dizem que a nova guerra limpa se fará com drones. Nós queremos fazer amor com os drones. (...) Eles dizem crise. Nós dizemos revolução."
Beatriz Preciado.

* Espelho para Cegos - Espetáculo teatral baseado na obra 
Teatro Decomposto ou o Homem - lixo. De Matéi Visniec.

Um comentário:

  1. Na magia há algo chamado de insanidade induzida. É uma relação que a pessoa cria consigo mesma na qual está em este 'mundo', conectado com o que está a sua volta, mas cujo pensar está vagando por outros tantos a mente trouxer pelo Ar. Dessa forma, expande as interações dentro do mesmo plano: a própria pessoa, como se fosse uma televisão na qual se muda de canais até se achar o que deseja assistir. Não é alienante, mas reconfortante também, sobre o prisma da escolha do que e com o que se interage. E revoluciona...

    ResponderExcluir