Páginas

janeiro 21, 2014

Asgarda



Na Ucrânia, um país onde as mulheres são vítimas de tráfico sexual e opressão de gênero, um novo grupo de mulheres empoderadas está surgindo. Auto denominadas "Asgarda" (fazendo referência à Asgard, a morada dos deuses nórdicos), essas mulheres buscam autonomia em relação aos homens.
Em um acampamento de verão para 150 mulheres de idades variadas - as mais novas tem 14 anos - elas revivem tradições tribais das Amazonas. Como em um clube de luta, as Asgardas praticam artes maciais, ensinadas pelo mestre de karatê soviético Volodymyr Stepanovytch, e treinam com armas medievais.
Elas desenvolvem competências para a vida em um projeto educacional (social, cultural e marcial) para mulheres. Elas aprendem sobre arte popular, saúde, esporte e ciências.
Segundo a idealizadora do projeto, Tarnouska, a ideia surgiu por desejar a autonomia das mulheres ucranianas. "Eu queria que as garotas ganhassem confiança para serem elas mesmas, e não apenas esposas silenciosas que trabalham em casa abrindo mão de seus próprios sonhos - como muitas de nossas mães e avós fizeram sob domínio dos soviéticos" Ela explica.

Site do grupo> http://asgarda.webs.com/ 



  The Woman WARRIOR

They claimed to be the kings of the forest,
But destroyed the balance of the universe at the same time.
They used to be the sun  burning in the sky,
But  the dust and the clouds no longer let them shine.
While they have abused their power,
I can still sing the mysterious song
And let them drown in the endless wonder,
With the secret I have hidden.
I tell you, the world,
I am the woman warrior.
The moon has become my mien,
The snow has turned to my skin
The flowers are my makeup,
The nightingale sings my voice,
And the poets resides in my hearts.
In the blazing fire,
I mix my courage with the molten iron.
Then forge the swords with my strength.
In the clear water,
I cleanse my spirit and my mind.
Then the stars point me the way to the future.
I tell you, the world,
I am the woman warrior.
The ancestors have given me the wisdom.
The nature has taught me the lesson of respect.
We rely on each other,
But we are still independent.
Now you understand,
Why I stand firm to guard
The territory belongs to us.
Because I am a woman.
I am the woman warrior.

2 comentários:

  1. Gostei!
    Sobre o estudo de uma antropóloga que supõe o neopaganismo como sistema de contracultura: http://arquivosdefeiticaria.blogspot.com.br/
    eschade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É teu o comentário anônimo no blog que me indicou... a da historiadora Inês Barreto? Gosto muitíssimo de saber suas idéias Erika, e acrescento ali que, mesmo com viés histórico, social, cultural, sexual ( muito louváveis por sinal) nunca a bruxaria se desconecta de seu "viés" mágico! É como desvincular o pensamento-linguagem- emoção, o que nos torna humanos. O que a torna bruxa é não menos o vínculo mágico com o que é cotidiano.
      É que a Psicologia se ocupa muito pouco com os estudos místicos/espirituais. Acho que porque por muito tempo fomos uma extensão tímida da psiquiatria, e de maneirismos mecanicistas. Por tudo isso me aproximo mais e mais dos antropólogos e sociólogos. De historiadores e poetas.
      A psicologia (com algumas poucas e boas exceções); a psiquiatria, e a medicina holística, não dão conta de abarcar esses aspectos com profundidade, é preciso vazar pra outros saberes.

      Excluir