Páginas

fevereiro 10, 2014

Ensaio de druidismo filosófico prático (sem manuais de instrução)

Só em pensar que o caminho da magia, deve ser o proferido por um(s) livro(s) tal ou tais, e que deve ser praticada assim ou assado, na posição x, com tempo pré-determinado, me faz pensar que de Magia nada há. As concepções de Magia são diversas, e mais diversas são as que você mesmo descobre para si. Desconfia de gurus ou métodos que restringem sua maneira própria de conceber a Magia, e sua prática, seu entendimento e evolução de cada etapa e princípio, e aí há perigo de orientação duvidosa.
São conhecimentos por si testados e apreendidos, são observações que lhe vem como insights, como rememorações, quase como se você estivesse distraído (mas não está), ou que lhe foi passado por alguém mais experiente que você, e você fez, reformulou, adaptou a sua própria realidade e necessidade.
Em mim mesma, além da psicologia, que é a própria modificação alquímica no interior das pessoas, a busca por conhecimentos no mundo físico, metafísico e intelectual estão intrinsecamente interligados.
Leio tanto livros de magia, como de psicologia e aqueles em que você sabe que se relacionam com tudo em acredita, sejam técnicos ou holísticos.
Não posso imaginar um livro que é originalmente de filosofia, tão bom e capaz de modificar suas perspectivas como O Existencialismo é um Humanismo. Um manifesto filosófico não é capaz de abarcar os significantes que se abrem, se escancaram à sua frente. Não falo de bruxaria, e sim de percepção, conhecimento, entendimento, e por conseguinte, ampliação do que é o ser humano.

Recentemente encontrei num sebo, 'Bruxaria  Teoria e Prática', que me deu informações valiosas, éticas, instruções de auto-iniciação e palavras de abertura pra o que gosto.
Interessa tanto pra mim como pessoa, independente se nunca irei fazê-lo, assim como prática, ensinamentos e guia de feitiçaria. Mais tarde, ponho um resumo mais consistente do que se trata.
E se eu acredito que esta natureza humana é também a natureza que compõe o exterior, o natural, intra e extra pele, numa linha invisível, costurada e unida; a rede de uma Natureza real e integrada.
Podemos entender e compor juntos esse "destino" falível, de compor e recompor, modificado. Meu futuro presente, com a riqueza de práticas.

Bruxaria é uma religião das mulheres e para mulheres especialmente, mas não somente! Religião da Deusa em que a mulher pode espelhar seu feminino, todas as suas nuances de fases e diferentes Deusas, em aspectos, sentidos, e momentos.  Em qualquer religião patriarcal, vemos o reflexo da propriedade, da posse, e da hegemonia. Bruxaria faz o caminho original, de inclusão, de não existência de pecados e culpas, de adoração do que há de mais amoroso, verdadeiro e essencial em si.
Filosofia, foi a primeira ciência, de onde vieram todos as outras, não há por que desdenhar desta, e ao invés disso voltar a beber da fonte, atualizada, pessoalizada: Filosofia, Bruxaria e Psicologia, uma tríade de Ciências ou Artes, de promover autoconhecimentos integrados e assimilados para uma prática diária.
Não está acima de um, ou de uma, ou acessível a poucos. Está extensamente disponível a toda e a qualquer pessoa que tenha o interesse de conhecê-la, e praticá-la.
 Não é secreta, ou segregacionista, elitista ou hierárquica, nenhum termo mesquinho pode se ocupar de um ideal druídico-filosófico, que essencialmente é libertador pela intencionalidade e causalidade.
Vejo o existencialismo (guardadas as devidas proporções, e feito ajustes necessários) como ideais otimistas relativos à humanidade; em um período de pós-guerras, surge com a vitalidade para dar ânimo e possibilidades tanto à restauração das ruínas de personas que ficaram, do idealismo falso-heróico das mulheres e homens que sobreviveram,  como uma impulsão de frescor vivaz em toda e qualquer potencialidade de auto reerguer-se, recuperar-se.

Mas penso que qualquer postulado só deve servir de referência, ou de guia, até que se crie o próprio caminho, altere, modifique, se escreva suas linhas de composição do que é mágico. Até mesmo siga as regras como ali se apresentam, se assim lhe parecer benéfico e saudável.
Não há receitas, a receita é como você a apreende. Aceite orientações quando essas forem razoáveis e justas. Eu anoto resultados, modero e repenso as escolhas, para mim e sobretudo divulgo, esses aprendizados quando é possível, e a quem se interessa.
Os caminhos são muitos, não hesito em mudar de rumo se assim achar relevante, ou parar pra meditar possibilidades.
E duvidar, que até hoje nada é estável por muito tempo, até mesmo as certezas.
Renova-te, eu me digo.