Páginas

janeiro 09, 2014

Tempo de Estio

Um verbo auto impositivo, silenciar.
Quando você está sozinha, é natural, mas quando está acompanhada... Percebo que o silêncio incomoda às pessoas, algumas. Um olhar silencioso, uma função que olha.
Pretendi à mim mesma, guardar um pouco os conteúdos, observar mais, silenciar um momento.
Tem um propósito mais sério pra mim, que é transformar internamente. Transformar os conteúdos que ouço, que percebo em volta e o retorno em mim. Frear os impulsos. Isso é realmente um exercício sobre- humano, já que meu sentir muitas vezes é quase uma ação; tão simbióticos que são unidos. 
Este é um exercício pra vida inteira. E noto, que as pessoas percebem e aguardam de mim algumas respostas. Respostas, talvez, que eu não saiba dar. Ou que não possa ou queira, agora. 
No fim, esse silêncio observador, que captura os significados, pra internamente movê-los, deslocá-los, digeri-los, e saírem de outra maneira, ou num momento adiante ... envolve a todos. 
Quando se silencia com propósitos, impele no outro uma expectativa. O movimento de aguardar. Um tempo de espera. No silêncio também comunicamos. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário