Páginas

fevereiro 18, 2014

Vladimir Kush

O encanto envolve o objeto com essa roupagem de raridade preciosa. Só há encanto se você destreinar teu olhar. Desaprender o que lhe ensinaram. É um exercício de destreinamento, quando você pousa os olhos de uma maneira nova sobre o mesmo objeto. Se abrem mil facetas nunca vistas. A curiosidade encantada (as crianças sabem!) está em redescobrir, muitas vezes.
Olhe de novo... e sempre!

Brejeirices

Fica aí querendo que eu seja alguma coisa que acalme, e que não interrogue. Algo de conhecido.
E que eu seja de gêmeos, mas não sou. Nem sou.
"Sou qualquer coisa de intermédio, pilar da ponte de tédio, que vai de mim para o outro".
E tenho vontade de rir também.
Rir, essa descarga elétrica, feito choque de humor histérico, que viaja veloz pelo corpo, dizendo a tudo e a todos que estão lépidos, incertos, intrépidos; beliscão em suas couraças !
É realmente uma trama intrincada,
esse labirinto de paixões, rebuscado e que busca num-sei-que, que já encontrou; qual o quê.
Bewere, beware, take care.. .!

fevereiro 11, 2014

Presentes guardados

Podia-se chamar isso de epifania. Ou de suspensão da realidade, ou a inversão da realidade num sonho. Essa vida é perigosa demais. Num momento a gente quase perde a fé, perde as esperanças, e no momento seguinte, vem alguém e te sorri, te mostra uma flor. Uma flor totalmente inesperada.
A razão não pode acompanhar tudo.
Por isso que acredito que vale a pena continuar insistindo, perguntando, buscando.... No meio de tanta feiúra, da lama, do asfalto, do lixo, das buzinas, da pressa, dos rostos anônimos, aí então.. Surge um presente.
E esse presente é a prova do oposto. Do que se estava perguntando, agora à pouco. Nunca se deixa de desejar. Perguntar é isso. Ter respostas inesperadas são esses pequenos milagres que quase não se percebem. 
 E nem se reconhece no momento, porque ta com a cabeça tão cheia, às vezes não se está olhando direito...

Ando me assustando pra em seguida, estar me encantando novamente. 

fevereiro 10, 2014

Lucidez U.S.A.

  "Mantenha boas relações com os oficiais certos e      eles derrubarão o governo pra você"
       -Noam Chomsky

Ensaio de druidismo filosófico prático (sem manuais de instrução)

Só em pensar que o caminho da magia, deve ser o proferido por um(s) livro(s) tal ou tais, e que deve ser praticada assim ou assado, na posição x, com tempo pré-determinado, me faz pensar que de Magia nada há. As concepções de Magia são diversas, e mais diversas são as que você mesmo descobre para si. Desconfia de gurus ou métodos que restringem sua maneira própria de conceber a Magia, e sua prática, seu entendimento e evolução de cada etapa e princípio, e aí há perigo de orientação duvidosa.
São conhecimentos por si testados e apreendidos, são observações que lhe vem como insights, como rememorações, quase como se você estivesse distraído (mas não está), ou que lhe foi passado por alguém mais experiente que você, e você fez, reformulou, adaptou a sua própria realidade e necessidade.
Em mim mesma, além da psicologia, que é a própria modificação alquímica no interior das pessoas, a busca por conhecimentos no mundo físico, metafísico e intelectual estão intrinsecamente interligados.
Leio tanto livros de magia, como de psicologia e aqueles em que você sabe que se relacionam com tudo em acredita, sejam técnicos ou holísticos.
Não posso imaginar um livro que é originalmente de filosofia, tão bom e capaz de modificar suas perspectivas como O Existencialismo é um Humanismo. Um manifesto filosófico não é capaz de abarcar os significantes que se abrem, se escancaram à sua frente. Não falo de bruxaria, e sim de percepção, conhecimento, entendimento, e por conseguinte, ampliação do que é o ser humano.

Recentemente encontrei num sebo, 'Bruxaria  Teoria e Prática', que me deu informações valiosas, éticas, instruções de auto-iniciação e palavras de abertura pra o que gosto.
Interessa tanto pra mim como pessoa, independente se nunca irei fazê-lo, assim como prática, ensinamentos e guia de feitiçaria. Mais tarde, ponho um resumo mais consistente do que se trata.
E se eu acredito que esta natureza humana é também a natureza que compõe o exterior, o natural, intra e extra pele, numa linha invisível, costurada e unida; a rede de uma Natureza real e integrada.
Podemos entender e compor juntos esse "destino" falível, de compor e recompor, modificado. Meu futuro presente, com a riqueza de práticas.

Bruxaria é uma religião das mulheres e para mulheres especialmente, mas não somente! Religião da Deusa em que a mulher pode espelhar seu feminino, todas as suas nuances de fases e diferentes Deusas, em aspectos, sentidos, e momentos.  Em qualquer religião patriarcal, vemos o reflexo da propriedade, da posse, e da hegemonia. Bruxaria faz o caminho original, de inclusão, de não existência de pecados e culpas, de adoração do que há de mais amoroso, verdadeiro e essencial em si.
Filosofia, foi a primeira ciência, de onde vieram todos as outras, não há por que desdenhar desta, e ao invés disso voltar a beber da fonte, atualizada, pessoalizada: Filosofia, Bruxaria e Psicologia, uma tríade de Ciências ou Artes, de promover autoconhecimentos integrados e assimilados para uma prática diária.
Não está acima de um, ou de uma, ou acessível a poucos. Está extensamente disponível a toda e a qualquer pessoa que tenha o interesse de conhecê-la, e praticá-la.
 Não é secreta, ou segregacionista, elitista ou hierárquica, nenhum termo mesquinho pode se ocupar de um ideal druídico-filosófico, que essencialmente é libertador pela intencionalidade e causalidade.
Vejo o existencialismo (guardadas as devidas proporções, e feito ajustes necessários) como ideais otimistas relativos à humanidade; em um período de pós-guerras, surge com a vitalidade para dar ânimo e possibilidades tanto à restauração das ruínas de personas que ficaram, do idealismo falso-heróico das mulheres e homens que sobreviveram,  como uma impulsão de frescor vivaz em toda e qualquer potencialidade de auto reerguer-se, recuperar-se.

Mas penso que qualquer postulado só deve servir de referência, ou de guia, até que se crie o próprio caminho, altere, modifique, se escreva suas linhas de composição do que é mágico. Até mesmo siga as regras como ali se apresentam, se assim lhe parecer benéfico e saudável.
Não há receitas, a receita é como você a apreende. Aceite orientações quando essas forem razoáveis e justas. Eu anoto resultados, modero e repenso as escolhas, para mim e sobretudo divulgo, esses aprendizados quando é possível, e a quem se interessa.
Os caminhos são muitos, não hesito em mudar de rumo se assim achar relevante, ou parar pra meditar possibilidades.
E duvidar, que até hoje nada é estável por muito tempo, até mesmo as certezas.
Renova-te, eu me digo.

Da série, demasiado humano



fevereiro 04, 2014

Ana

Todo mundo parece já ter escrito alguma coisa sobre ela, e lá vou eu fazer o mesmo. Vergonha de só tê-la descoberto agora, trinta anos depois de vida (ler um ou dois poemas antes, sem dar pelo nome, não é conhecer). Quero conhecer intimamente. Fui procurar um livro de poemas que foi prêmio do ano passado, "Um útero..", achei, e achei chatinho... Do lado tinha outro de cores vibrantes - do mesmo modo que a autora - Poética, reunião das obras completas, poemas, correspondências.. Não consegui largar. Agora entendo o número de pessoas que escrevem sobre ela nos blogs. Inúmeros blogs, teatros, ensaios, saudando, louvando, curtindo ela. Viveu curtamente nada, viveu intensa sim, e nada clichê. Vejo-a quando leio. E quando não leio, também, porque é tão bom...
Tenho agora como livro de cabeceira, e inspiração pra daqui adiante. Do lado de Clarice.
Escrevi no cantinho de uma página, ¨É meu. Sempre foi. Faltava descobrir. Descobri.¨

Ana Cristina Cesar
Ana C                                            
Ana