Páginas

março 31, 2014

Todos os Nomes

Chamaram-no de mar
aquilo que não tinha nome.
Mas tamanho à perder de vista no horizonte.
Chamaram-no de ciúmes
da falta à ausência que não mais podia nem cabia encobrir.
Ilusão de poder e controle que destroem e corroem.
Chamaram-no de amor
a sensação de transbordamento que invadia
toda sua existência, e marejava, ondulando seus sentidos, sua boca, pensares, palavras;
 se realizava em ser.

Ao contrário do que se diz, religião seja qual for, tem um fundamento principal, que se une a toda e qualquer cultura e tempo, amor e respeito a outro, à Natureza e a si próprio. Ninguém precisa ir tão longe nos estudos, pra se saber isso. Se sabe, simplesmente.  Se sente. Bruxaria, magia ou qualquer outra religião tem nisso uma base firme. Despertar, inspirar, impulsionar nos outros suas habilidades.. Nem precisamos de orgulho, de vaidade... Ou de autorização para seguir seus preceitos mágicos. Tenhamos cuidado, no mínimo zelo pelo que dizemos seguir. Não é difícil, nem custará nada, se tivermos esse mínimo de decência, o respeito, o Amor, esse maiúsculo, que nos ensina mais que tudo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário