Páginas

maio 30, 2014

Libações bacantes

Um prazer violeta, cor de sangue, perfumado. Remete à paixão. O amor e as variantes do desejo.
Tem gosto divino, mas é mundano como os prazeres são. Vinho é meu ouro líquido.
"Quiero emborrachar mi corazon" 

Pertubar-te-ei

Eu, Pedrinho e mais alguns animados em ver Cristo em technicolor. 
" E tem o seguinte meus senhores, não vamos enlouquecer, nem nos matar, nem desistir.
Pelo contrário: vamos ficar ótimos e incomodar bastante ainda..."
Caio F. Abreu


maio 28, 2014

The Railway Man

Nunca encontrei um homem como Gandhi, como Mandela, ou como Sidartha Gautama. Esses homens só se encontram na História, poucos na vida. Ter honra, dignidade e bondade principalmente quando tudo desaba à sua volta, quando há tortura, fome, medo...Nada disso consegue destruir uma pessoa boa. Como eles não existem iguais.
Mas existem homens bons.  Bom, pra mim vai ser aquele que consegue tirar a amargura ou o rancor do coração, e puder trocá-lo por perdoar. Nenhuma raiva deve durar pra sempre. Por mais que você carregue isso contra alguém, é um peso que se carrega sozinho, e que só fere a si mesmo. É corrosivo. Por maior , ou mínima, injustiça que houver sido cometida, nenhuma vale esse peso. É uma sensação que me faz dizer isso, porque já vi amargura corroer. Por alguma razão, sei que se deixar esse peso, pode agir com honradez. Coração bom. Livre o peso.
Acredito que algum dia isso vai acontecer. Talvez não hoje ou amanhã. Um dia desses é possível.

maio 20, 2014

"Se o mundo inteiro está cheio de espinhos,
o coração dos amantes é um roseiral.
Se a roda parasse de girar,
o mundo dos amantes continuaria a se mover.
Se todos os seres ficassem tristes, a alma dos amantes
permaneceria nova, viva e leve.
Onde houver uma vela apagada, que seja dada ao amante,
pois ele tem cem mil luzes".
Rumi

Rumi

Love will lay a carpet of treasures under our feet

"Limpa teu coração dos velhos rancores, lava-o sete vezes,
e serve o vinho do amor, torna-te o amor".

Deve ser isso a fazer. O amor é isso. Despir-se das paixões fugazes, e a entrega ao amor.
Respirar expelindo tudo o que foi machucado, e tudo o quanto lhe foi passado.
E perdoar. Respira setecentas mil vezes, um milhão. Respira infinitas vezes.
Expele a tristeza, inspira bem querer.
Expele a mágoa, inspira bom senso.
Respira Amor.
Respira e ama.
Torna-te o amor.

























A alma vive lá na respiração profunda.
                                                 Rumi

maio 11, 2014

Tribo Himba


O fotógrafo Alexander Gusov, registra o encontro de sua esposa Sasha com mulheres da tribo himba.
Namíbia, 2003.
"Entrevistei uma jovem antropóloga trabalhando com mulheres em Mali, um país da áfrica onde as mulheres andam com os seios nus. Estão sempre amamentando seus bebês. E quando ela lhes contou que em nossa cultura os homens são fascinados com seios, houve um instante de choque. As mulheres caíram na gargalhada. Gargalharam tanto que caíram no chão. ' Quer dizer que os homens agem como bebês?' disseram". (Carolyn Latteier, no livro "All about Breasts")

(Pego 'emprestado' de Erika Schade)

maio 08, 2014

A Sabedoria Senescente

Quando nos tornamos "velhos" somos menos eficientes em muitas coisas. Lembrar das coisas se torna mais difícil, começar e terminar uma tarefa leva mais tempo, ouvir, entender... Tudo precisa de mais tempo.Um ritmo próprio. E algumas coisas perdem significado, ver, ler, ter, vestir ou usar tal coisa.. modismos em voga. Algo vai mudando com o tempo. Algumas coisas se tornam muito importantes, outras não tem nenhuma importância, se algum dia já tiveram. O que é excessivo sai, o excesso dá lugar ao essencial. Estar sadio corresponde a sentir menos dor, ou minimizar desconfortos. As vezes não se fala tudo que sente, mas está tudo ali dentro, um universo permeado de mil sensações, e recordações das pessoas em volta. Gosto muito de entender os olhares. Se é realmente a janela da alma, o olho como lente captura sentimentos profundos e emoções sutis, captura e os traduz num olhar expressivo. Disse uma vez, que mais do que ouvir o que as pessoas dizem, é bom ouvir o que elas calam. Os olhos de uma senhora vívida, calam inúmeras palavras incontidas.
E se você pegar na mão dessa senhora, que é tão íntima sua, e olhar suas mãos, quantas linhas não contam histórias, quantos traços dessa vida não explicam sua trajetória. Como uma grande árvore com todos os seus ramos, curvas, cheiros, e desenhos, as senhoras idosas são este precioso ser de sabedoria quieta. Sorri numa aquiescência onde reina esse saber, já ter visto e sentido tanto,  calma sabedoria que me atravessa.



Penso em minhas avós. E em avós e avôs todos eles.

Sociedades Matriarcais

Homens, energia masculina, e patriarcado são três coisas distintas. 
Homens enquanto gênero, energia masculina sendo algo abstrato e subjetivo, pois é pessoal e volúvel, fluido - em mulheres e homens. Ambos podem apresentar energia masculina, assim como no Yin e Yang. Já o patriarcado, refere-se a dominação e poderio, propriedade e subjugo, das formas mais veladas às mais expostas. 

Desde que Lilith se recusou a deitar-se embaixo de Adão, numa metáfora clara, de limite à subordinação, e sua subsequente "troca" pela submissa Eva, houveram no Cristianismo muitas outras trocas semelhantes, de símbolos, ritos, e práticas do paganismo. De uma religião fundamentalmente matriarcal e feminina, da Deusa e Deuses, para uma religião nova e essencialmente patriarcal, de homens e mulheres inclusive, para um Deus, e sua trindade masculina, sem lugar para as mulheres, e destituída da representação que a original tinha, e sua sacralidade, instituindo assim um novo modelo de apropriação de signos e símbolos pagãos, de redirecionamento de ritos e rituais, desprovidos do significado primeiro. Arrendamento e confisco de terras, vergonha de sua sexualidade e controle religioso e político desta. Através do Cristianismo, novas práticas através de culpa, submissão, pecado, temor e pudores reorientavam homens e mulheres, antes de sexualidade e espiritualidade livres de controle, exclusão, e encarceramento mental de suas qualidades intuitivas, emocionais, espirituais.

Acredito e sei que há homens - independente do que energeticamente vibrem - que entendem sensivelmente essas mudanças, e a opressão por outros homens e mulheres, e se esforçam por minimizá-la. Homens parceiros, aliados, que nos ajudam a interferir no sistema de dominação por entender e extender o valor, a importância da cooperação, e da ligação ao sagrado na Antiga Religião da Deusa. 

Aqui imagens e verbetes sobre atuais comunidades e sociedades matriarcais. Há também muitos outros exemplos no reino animal; estas sociedades são pontuadas pela cooperação e pacificidade de seus integrantes. Ainda não é o ideal, meu e de outras/outros, mas são exemplos concretos em realidade de que como antigamente, isso ainda é possível. 

 



Artigo completo e imagens retirados em Hypescience

What´s So Scary About Smart Girls ? New York Times discorrendo numa variação do mesmo tema.

maio 07, 2014

As Bruxas de ontem, e hoje.

Aproveito o ano novo pagão pra ler e refletir um artigo. Bruxaria é uma religião das mulheres e para mulheres especialmente, mas não apenas. Ser íntegra refere-se a reconhecer os aspectos do masculino e aceita-lo como parte integrante; a cooperação diz respeito à nossa totalidade, mas jamais à uma submissão ou desrespeito. A Religião da Deusa, onde a mulher pode espelhar seu feminino, todas as suas nuances e fases, sua fecundidade, seus ciclos funcionam e são como os da Grande Mãe, nossa Natureza é a mesma Natureza em redor.  É seu corpo, seu espírito, fluidos e fluxos que se mimetizam na mesma dança sagrada. A isso eu chamo de Sagrado. A nossa sacralidade de fluidez.

O texto abaixo reconta parte do que sabemos das histórias das bruxas, mas acrescenta que ainda existem outras mulheres que torturadas, perseguidas, execradas socialmente, e finalmente mortas; continuam a existir e a incomodar - hoje em dia, século XXI. Onde reina ignorância, a maldade e injustiças vão imperar. Mas não por muito tempo.
Mulheres, e, mulheres bruxas, feiticeiras, artesãs, são meu orgulho, pelo simbólico que representaram no passado, hoje e no futuro como resistência e exemplo. 

"Num passado não muito distante a história nos remete a lembranças de mulheres sendo caçadas, torturadas física e psicologicamente, confessando o “crime de bruxaria” e sendo condenadas á morte na fogueira. Intolerância e fanatismo religioso foram ingredientes “mágicos” para perpetrar esta caçada, mas havia outros ingredientes temperando esta convulsão social, a sociedade patriarcal e o machismo eram sustentáculo da situação, as vitimas não eram mulheres à toa, mulheres que não se enquadravam no estereótipo da sociedade facilmente eram vistas com maus olhos, pela sociedade e igreja, ambas intensamente investindo na morte da religião da Deusa e qualquer resquício do matriarcado.
Não havia espaço no mundo para nenhuma mulher que não se submetesse, nem para nenhuma mulher que renegasse a fé que demonizaria qualquer outra fé, não havia espaço para nenhuma mulher que pudesse contar as novas gerações que nem sempre havia sido daquela forma…
A estimativa é de que entre 40 mil a 100 mil execuções foram realizadas entre os séculos XV e XVIII, na Europa e Colônias americanas. As acusações surgiam sempre de um suposto malefício, poderia ser uma doença, tanto de pessoas como de animais domésticos, problemas com a colheita. Normalmente as acusações eram de participação de Sabás ou prática de curandeirismo, acusações que bastavam de uma testemunha para proceder, ou seja, poderia ser o próprio acusador, que alvejava as acusadas dizendo que elas eram causadoras de infortúnios devido a suas artes mágicas.
As acusadas eram sempre alguém do convívio do denunciante, normalmente subordinadas, ou em posição social inferior, era muito comum serem alvejadas mulheres que não condiziam com a ordem social vigente: Mulheres que traíam seus maridos ou que não haviam se casado mesmo com idade avançada, curandeiras, viúvas, judias, alcoólatras…"  


Completo em As netas das Bruxas
What´s So Scary About Smart Girls ? New York Times discorrendo numa variação do mesmo tema.