Páginas

setembro 07, 2015

(Alegre Epifanis dionisiaca)

Breve história do xamanismo (Alegre epifanis dionisiaca)
Roberto Piva

Hegel procurou seu protetor xamânico na
flor negra
Novalis na flor azul
São Francisco quis perpetuar seu tótem no cântico
delle Creature
o gavião de penacho
fez a cabeça de
Oswald de Andrade
o girassol de madrugada
dissipou a couraça
católica de Mário
(o clã jabuti agradece)
Hölderlin dançou
em torno do Éter
como um navajo
Trakl escureceu o dia
com seus pântanos e miasmas
Dante atravessou 3 reinos em êxtase
viu a luz no fim do túnel
Lautréamont se comparava à águia e ao dragão
Pasolini sonhava com o centauro
Gonçalves Dias e seu sabiá melancólico
Ionesco criava rinocerontes ameaçadores
O Sol negro levitou Artaud
até o céu do peyote
Michaux às vezes incorporava o rio negro
Alma de Eliot onde trota o arganaz
Walt Whitman e seu martim pescador revoando o crepúsculo
D.H.Lawrence chamou todos os animais
E plantas em seus poemas
Giambattista Vico incorporou um exu chamado Bestione
Willian Blake, poeta druida, incendiou o tigre nas florestas da noite
(suas profecias contra a sociedade industrial, todas vingaram)
Graciosa coxa de Pan alucinou Rimbaud
W.B. Yeats recebia um gnomo surrealista
Ovo primordial De Arp Águia ou Sol?
Onde Octavio Paz engatilha suas flores surrealistas
Um índio Hopi presenteou Jung com um urso de madeira
Jorge Luis Borges
E seus protetores imaginários
Guimarães Rosa janta hoje com Jaguaretê
Dino Campana entrava na gira de Orfeu
Leopardi & o Brasão onde o leopardo rampante gerou seu nome
Paracelso dizia que não devemos evocar elementares
(são as bruxas)
a Nasa treina astronautas no vácuo xamânico
eu espero o Sol/Gavião nesta colina que dança.



Embu, 1991

Junto com as deusas, o altar e as oferendas também são aos poetas escritores e magos que alcançaram outros mundos com a expansão da consciência e seus escritos anímicos.
Estou pra entrar no módulo de alquimia, então estou me preparando...

Nenhum comentário:

Postar um comentário