Páginas

junho 17, 2017

outros uns.

Querendo, querendo..
 sentia e,
Sentir era a melhor forma de saber
E saber, era a menor forma de captar
 e depois disso, só dúvida.
sentindo.
Acordando.
Wake up
Wurry up
Dont worry

Uns querendo, somos nós
Uns urgindo
rugindo
somos nós
ultimamente temos sidos nós
sem querer
uns sendo, uns somos
só nós.
somos nós
Sem querer, qse pedindo pra não.

janeiro 04, 2017

My litlle broder



Vitor 
Essa é apenas pra me me lembrar que fiz uma viagem incrível  (a 1ª!) com meu irmãozinho. Chaato, inteligente, capricorniano, silencioso, responsável. E outras coisas...  Essa música que ele mais gostava de ouvir. Eu também gostei. Somos parecidos em gostos musicais, e poéticos. Ele Terra. Eu Fogo e Ar.
Brigas constantes...rs.  Divina diferença. Amo-o. 

Self - (olhar pra dentro)

 Sinto que posso ser qualquer coisa. Fazer essas coisas pelos outros;
será uma sensação só (?) algo improvável de super'' .."?
tenho sentido que posso tocar pessoas.
Toco com delicadeza, e isso me envolve, e me satisfaz.
me comove. estar feliz.
Ter alguma serenidade.
Alcançar um olhar derivado de muito pensar.
de muito meditar, e depois disso, somente, um estar,
um prazer sem nome,
sem estado definido
Um a ambiguidade volátil
porém sólida.
É possível sim.

O estar-com -os-outros,
faz-com-que-estejamos-todos-
-num-mesmo-estado-dialógico.

Bem. Sim. Este é um momento.
Haverão muitos outros.
O estar-com -outros, é um lugar de uma atmosfera de ar novidade,
mundos respiráveis
de cheiros e discordâncias.
Amáveis seres, e suas delicadezas respiráveis,
tocáveis,
ambiguidades impalpáveis,
densidades leves improváveis.
Capazes os seres humanos de se superarem.
Absorvo.
reaprendo.
Renovo-desenvolvo.

O que mais nos aguarda, nós mesmos...



Deja vù - (atrasado)

Uma variável da mesma nota,
a mesma melodia ressoante, mas
que repercute de modo inusitado, como se fosso outro/a
Como se talvez nunca ouvido.

Sabe, como se essa melodia soasse,
uns dizeres, uns sons, grunhidos
Que apalpando as .t.exturas de minhas vozes
internas,
fizessem o som
mudo
surdo
alto
grande
alarde
discreto
honesto
meu
que dizia,
eu era um rapaz latino americano,
que ouvia um som som sem nome,
porque tudo tudo haveria de ter uma nomenclatura
e a deste som era o ensurdecedor,
e s p e r a r.
A coisa mais doída.
e doida, era o esperar.
Um som que dissesse aquilo que ele era,
e pra que veio.
Sem isso:
nome, sobrenome, endereço, destino, intento,
qual minto...  Nada és.
Tudo tudo inventas.
Nada és. Quem deras fosses...
E outros estares, bestas, tal como (como) Manô de Barros,
saberia dizer melhor, e tu não finalizas.

pronto.
cá. é fim.


Maria Ribeiro Photo